COMO A PRÓPRIA EDUARDA DIZIA "MÃE TU ÉS A MINHA ESTRELA CINTILANTE"
AGORA PASSOU A SER A EDUARDINHA, A ESTRELA CINTILANTE QUE BRILHA BEM DO ALTO DOS CÉUS

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

És o vento do Natal



Lembras-te de correres para nós, soltando essa alfazema de pureza em estreita ligação com um sorriso estridente? Como saltavas e te soltavas, quase tornando imóveis as pessoas que te apreciavam, querendo ver essa magia contagiante…

Lembraste do que dizias com os teus apurados sentidos de menina, com preocupações tão anormais para seres da tua idade? E das coisas simples que tanto gostavas, como a pista de bolas de madeira, que tão carinhosamente recebeste num Natal, desfrutando durante muito tempo com os teus gestos de simplicidade. E da casa de madeira, prontamente decorada e habitada pelos bonequinhos articulados ?…

Lembras-te de pedires gelatina, um dos teus doces predilectos? E dos cafés e chás que preparavas prontamente na tua cozinha? Não faltavam as tostas e pizzas, servidos com muito carinho, quase que a dizer que de uma pequena menina se consegue semear a esperança...

Lembras-te de ver desenhos animados de forma tão entusiasmada? Ao nosso colo ou no chão da sala, vias e revias, comentavas e reclamavas, também tu a inventares tantas personagens que incorporavas. Lembro-me do dia em que andámos os dois a saltar e saltitar como macacos, porque tu adoraste a música do Phil Collins que tão sabiamente estava reproduzida no filme “Rei Leão”…

Lembras-te que me lembro hoje e sempre de ti, nesta contenda de dias sem a tua presença física, sabendo que cada pormenor do tempo que passa mais perto nos aproxima desse verdadeiro mundo em que habitas? Não julgava que estas memórias seriam apenas recordações. Pensava que poderíamos continuar a brincar, dançar, enfim… existirmos sempre aqui, para juntos irmos criando outras e outras memórias…

Eduardinha, és vento. Andas em todo o lado, mostrando a todos que vale a pena acreditar, transmitindo essas memórias que ambos transportamos. Porque és vento, sopras esse Bem e Amor que todos sentimos de Ti. Talvez tenha de ser assim… Não fosse o vento e não respiraríamos. E nós precisamos do teu sopro, mesmo que levezinho. Não são apenas as árvores a base dos ventos que nos enchem os pulmões do ar que respiramos.

O teu vento traz uma agitação de paz que tranquiliza e atenua. É esse vento que nos mostra todos os Natais, em todo o mundo, entre todas as pessoas. Então és o Natal, com um vento que nos surge entre as brisas de Deus!

9 comentários:

Cida disse...

TÃO LINDO, que não encontro palavras...
Só te digo, que li com um nó na garganta e lágrima nos olhos.
Parabéns Joaquim, por ser esta pessoa que és.
Eduarda, na certa, junto ao Papai do céu, se orgulha imensamente do seu papai da terra...
Cid@

mjm disse...

Que Lindo!!!

Eu acompanho regularmente o seu blog, já deixei comentários e hoje gostaria de lhe dizer que É UM GRANDE PAI!!!!

Do céu a Sua Menina acompanha a sua luta em respirar aqui sem Ela, sem a presença fisica Dela...

Lembro-me tantas vezes Desta Estrelinha, não sei porquê mas lembro!!!

Sei que um dia A vai reencontrar e desse reencontro já não volta a existir separação nunca mais!!!

Gostaria de ter tido um Pai assim...mas o meu percurso foi outro, não sei o que é esse Amor! Ainda tenho o meu pai vivo afinal ainda só tem 71 anos mas sempre fui maltratada e espancada de cinto até casar e maltratada verbalmente e psicologicamente até hoje....sinto muito que as pessoas que têm o privilégio de poder estar juntas neste pequeno mundo não se possam Amar, destruam assim um Dom tão bonito, por isso agradeço todas as palavras que aqui venho ler e a prova deste imenso amor pela Sua Linda Filha!!!

Força, muita Força!!!!

Ana guerreiro disse...

Parabens...é lindo e muito sentido o amor que se sente pelos nossos filhos mesmo quando nao estao presentes fisicamente. beijinho grande

Sandra disse...

Estou parada à frente do computador e não sei o que escrever..., não sei por onde começar.
Só há uns meses descobri que a Eduarda é tua filha, embora tenha ouvido falar muito no que aconteceu.
Já vim várias vezes a este blog, as tuas palavras tocam-me tão fundo, fico tão triste..., tento sempre deixar um comentário, mas acabo sempre por apagar porque tenho medo de te magoar ainda mais.
Mas hoje quero te dizer para não desistires, porque ao faze-lo estás a ajudar outros que, tal como tu e a tua esposa, estão a sofrer por saudade.
A Eduarda está muito orgulhosa de vos ter como pais e lembrem-se que Deus vos escolheu a vocês por alguma razão muito especial. Sei que falar é fácil, pois tenho os meus filhos por perto, mas acredito que nada acontece por acaso. A vossa força ajuda muitos que estão a sofrer, embora estejam a sofrer muito também.
Nunca desistam de cumprir a vossa missão, por mais penosa que seja.
Obrigado.
Obrigado por tudo.
Lembrem-se que "aqueles que amamos nunca morrem, apenas partem antes de nós".

Desculpa só agora ter tido coragem de te mandar esta MSN, mas ao recordar os poucos momentos em que estivemos juntos com os nossos amigos na escola, a forma como poderia ter sido mais simpática contigo e não fui, as vezes que te vi a deixar a tua filha no Jardim Escola e nunca te ter dito "olá". Desculpa...
Beijinhos
Sandra

Fernanda Barata disse...

A felicidade, a segurança, a paz e a harmonia interiores, dependem muito da forma como olhamos para dentro de nós mesmos, como recordamos e interpretamos o passado, e como vemos os outros à nossa volta.
Pelas suas palavras, sinto que a Eduardinha traz a sua presença até si, e que o meu amigo a recebe com tão grande brandura, abrindo o seu espirito para viver, todos os dias, o seu eterno amor. Suavemente.
Não importa que o Natal esteja à porta. Importa que as suas memórias do Natal sejam as mais bonitas, eternizadas com essa harmonia e suavidade que é uma inspiração para muitos pais e mães em condições semelhantes.
Obrigada.

Ana Mabrouk disse...

Joaquim,
há alturas na vida nas quais as palavras não servem para responder as outras palavras. Por isso, envio um sopro de amizade e uma brisa de coragem.

Bons ventos, amigo.
Ana paula Mabrouk

beth disse...

Eu nao tenho palavras... faz algum tempo q venho por aqui dar uma olhada,nao sei ao certo o q houve com sua filha,mais me ponho em seu lugar e so posso apenas imaginar o q sentes, pq sentir realmente so vc msm... tenho uma filha de 6 meses, e depois do dia q conheci seu blog, kd dia olho p ela e lembra da Eduarda e de vc e do seu sofrimento... Mais pense sempre q Deus nunca nos abandona, Ele esta sempre ao seu lado, te apoiando.
bjs e td de bom

Anónimo disse...

Não perdi a minha filha (Graças a Deus!), mas a minha mãe perdeu 2 filhos no espaço de 2 anos. Por isso deixo aqui a minha mensagem de coragem e perserverança, porque como a minha irmã São (www.saoveiga.com), dizia: «life goes on without me...». Um abraço apertado

Isabel disse...

Simplesmente um grande ABRAÇO!!!!!