COMO A PRÓPRIA EDUARDA DIZIA "MÃE TU ÉS A MINHA ESTRELA CINTILANTE"
AGORA PASSOU A SER A EDUARDINHA, A ESTRELA CINTILANTE QUE BRILHA BEM DO ALTO DOS CÉUS

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Pintar o céu de azul e verde


Hoje tive vontade de pintar o céu de azul e verde. O azul como cor real, da elevação superior que lhe pertence e o verde como sinal da esperança cúmplice com Deus. Sim Deus. Aquele Deus que Saramago diz não existir, talvez uma triste forma de ver o mundo e de o sentir como criação perfeita...
Mas, elevo os meus olhos para cima e pinto de azul e verde, esperando que nos movimentos dos meus dias, chegue até esse Deus que acredito existir e também me abeire dessa menina que se tornou estrela. É essa menina chamada Eduarda de Sempre que quando chega todas as noites tem o cuidado de na minha limitação, nos momentos que não consigo ver o azul ou o verde, com o seu toque especial, me dá uma luz que me ilumina até chegar todas as manhãs.
Aí, consigo novamente ver as cores, mesmo com a chuva que se assolou neste Outono. Sinto-me iluminado por Deus, pela Eduarda e todos os Seres terrenos que me dão sentido. Agora, talvez seja mais uma oportunidade para vos agradecer o facto de me darem força para conseguir ver essas cores que irradiam e por também obter toda a goma de amor que tão bem sei identificar donde é originário.
As cores e as luzes chegam-nos do superior. E só as conseguimos ver porque acreditamos e porque Deus nos pinta como uma bela tela, como uma valiosa criação "artística" exposta nestas galerias que chamamos países do mundo. É nesta galeria que somos iluminados, dando brilho e beleza às cores. Por quem? Pelas Eduardas de todo o mundo, por verdadeiras estrelas e uma lua, dando origem às melhores das inspirações de Deus...

8 comentários:

Cida disse...

Joaquim, que essa LUZ DIVINA te ilumine SEMPRE!!!
Com muito carinho,
Cida

Anónimo disse...

Sabes Eduarda pensei um dia poder ajudar-te, pensei um dia ensinar-te a viver neste mundo cruel .
Mas afinal és tu que hoje me ajudas a caminhar , és tu que cuidas de mim todos os dias. O meu pensamento está contigo a pesar de por vezes a tua ausência me levar aos extremos de uma solidão incompreensível.
hoje já não te procuro porque sei que parra sempre te vou encontrar de uma forma diferente, mas infinita...
És o meu anjo da guarda e isso ninguém pode mudar nem separar amo-te muito desta tua tia que jamais te perde .

Anónimo disse...

Joaquim, acho muito bonito tudo o que escreve e dedica á sua filha EDUARDA, pois a sua princesa deve andar junto do meu MARCO a caminhar por esse lindo céu e azul como diz. É muito dificil a perda de um filho o meu MARCO partiu em 14 Janeiro de 2008 e doi muito viver com a ausencia Tenho visitado todos os dias o seu blog, pois nele encontro alguém que está a viver a mesma dor e que anseia o mesmo que eu um reenconto... com os nossos filhos. Tambem tenho um blog onde escrevo sempre que preciso libertar um pouco da minha dor. Muita força e nunca em momento algum deixe de acreditar que a Eduarda continua sempre perto acompanhar-vos. Cristina mãe do MARCO. deixo o endereço
http://marcoandre1989.blogspot.com

Princesa Bé disse...

pinta de cor-de-rosa, como as nuvens de algodão doce ;-)

Eduardo Frazão disse...

Olá Joaquim,
Não sei se te lembras de mim. Sou o Eduardo Frazão, das Cortes. Estudei com a Cristina faz já uns anos e estagiei contigo no Região de Leiria. Andámos os dois na altura pelas Cortes a recolher informação e patrocínios para a elaboração de um suplemento sobre esta freguesia. Visitámos boa parte das empresas das Cortes, Junta de Freguesia e recordo-me particularmente da visita que fizemos à Casa Museu João Soares. Tu não conhecias e ficas-te particularmente surpreendido com aquele local. Tenho a ideia de que hoje em dia conheces relativamente bem as Cortes e até tens cá amigos. Sou assinante do Jornal das Cortes e frequentemente vejo notícias sobre ti e sobre o jornal que tu diriges.
Entretanto casei (com uma Cristina também), tenho uma filha com dois anos que se chama Mafalda e se Deus quiser, lá para Março seremos quatro…
Foi precisamente através do jornal das Cortes que recentemente li uma notícia sobre a apresentação do teu livro no João de Deus e sobre a perda da tua Eduarda, motivo pelo qual tomei a liberdade de te escrever. De repente veio-me à memória a semana do acidente porque tenho uma sobrinha que também frequenta o Jardim Escola e lembro-me da minha irmã comentar na altura essa triste notícia. Não fazia a ideia de que era a tua filha.
Fiquei com um amargo de boca, senti-me invadido por uma profunda tristeza e porque também tenho uma filha senti uma dor muito própria de quem também é pai e ama os seus filhos acima de todas as coisas. Vieram-me à memória algumas imagens de ti e da tua família. Recordo-me de passar pelos três por diversas ocasiões em Leiria e a Cristina fazia sempre questão de dizer à Eduarda: - olha filha, tu chamas-te Eduarda e este rapaz chama-se Eduardo!
Através da Antena 1 descobri o teu blogue e os lindos textos que tu escreves. Fiquei particularmente sensibilizado com o que li e por isso gostava desta forma de te prestar a devida homenagem. Acho surpreendente a forma delicada como encaras a vida depois do que aconteceu, digna apenas dos grandes homens. Dos que têm a noção do verdadeiro sentido da vida. Dos que merecem um destaque muito especial. Tens muito orgulho na tua filha, não tenho dúvida nenhuma, mas a tua filha lá bem do alto tem motivos mais do que suficientes para ter orgulho do seu Pai.
Aproveito para te informar que passei a ser mais um que partilha uma parte da tua dor. Estou solidário contigo e com a Cristina e rezo pela Eduarda.
Um grande abraço para ti e dá um beijinho à Cristina.

Eduardo Frazão
frazao.eduardo@gmail.com

Fernanda Barata disse...

Nesta tela, pintamos a vida com as cores que desejamos, independentemente das dores que nos ferem o íntimo. É sempre melhor pintá-la de cores suaves e luminosas porque, por isso mesmo, suavizam as dores e, em lugar de abrirem mais as feridas, servem de paliativo. Olhando para o céu sempre tão estrelado, percebemos de imediato que há muitas, muitas estrelas, que nos inspiram a escolhermos as cores da resistência e da coragem.
Um Abraço.

Cida disse...

"Os que nunca partem são as pessoas que nortearam nossos dias, colocaram um significado tão importante neles e deixaram uma marca tão profunda em nós, que não importa onde estejam, porque ao nosso lado, de alguma forma, sempre estarão.
Os que nunca partem são aqueles que descobriram o segredo de brilhar na terra, mesmo antes de chegarem ao céu e se tornarem estrela."

Joaquim, li este lindo texto hoje, e como, imediatamente pensei em você, te trouxe de presente.

Um abraço fraterno e fique com Deus.
Sua amiga brasileira,
Cid@

Anónimo disse...

Sabes minha querida sempre que acordo penso em ti, falo contigo, e estou contigo estás sempre presente no meu pensamento .
Só tu e eu sabemos mais do que nunca o que quer dizer (silêncio) neste momento falo com os anjos.
Esses anjos são os que habitam junto de ti, e tu juntinho de mim.
Eu sinto que estás comigo amo-te até um dia destes.