COMO A PRÓPRIA EDUARDA DIZIA "MÃE TU ÉS A MINHA ESTRELA CINTILANTE"
AGORA PASSOU A SER A EDUARDINHA, A ESTRELA CINTILANTE QUE BRILHA BEM DO ALTO DOS CÉUS

segunda-feira, 28 de março de 2011

Na vida, não há impossíveis. Só na morte, não voltamos à vida terrena!


O ser humano sonha encontrar para si mesmo cenários perfeitos, pessoas ideais, com uma vida exactamente ajustada ao que se quer no momento. Actualmente, pouco ou nada se projecta em conjunto, partilhando esforços, ultrapassando ventos e marés. Tudo se quer natural, fácil e de acordo com aquilo que mais satisfaz naquele instante.
Aquela pessoa que parece preparada ou disponível para oferecer o sonho, a materialização do agradável momento, ou até mesmo aquela que promete ou diz o que nunca foi… essa sim, muitas vezes vinga. O ser humano já não tem paciência para ensinar, para comungar passagens difíceis dos outros.
Conheço algumas histórias de excepção (poucas). Pessoas que mesmo numa realidade difícil, num contexto que lhe mostrava um cenário quase impossível, porque ficaram, porque apostaram, porque acreditaram, conquistaram a vida que desejavam!
Conheço outras pessoas que só olharam para o momento. Apenas aquele fragmento de segundo em que compraram o sonho, ou simplesmente o que mais queriam/idealizaram. E enganaram-se. Muitas vezes só descobrem o erro muitos anos depois. Nesses mesmos anos, as que realmente se predispuseram a construir, ganharam a certeza absoluta que foi esse o caminho certo, por mais que tenha parecido impossível. Na vida, não há impossíveis. Só na morte, não voltamos à vida terrena.

2 comentários:

Filha do Mar disse...

Estou.te a seguir Eduardinha... cintila muito ai em cima!!!

cakamei disse...

Olá Joaquim, Cristina... estejam sempre confortados pela luz de Deus e da Eduarda.
Como teus escritos nos alimentam em intensas reflexões sobre a vida. E o quanto buscamos fora de nós o que está ca dentro de nossa alma.
Tenho aprendido nos mais sutis sinais que a vida nos diz tanatas coisas que só vamos conseguir entender quando nos atentamos a esses pequenos detalhes tão grandiosos em seus siguinificados. E hoje sinto que só quando aprendemos a suportar e enfrentar as nossas dores que realmente entendemos o sentido da vida e transcedemso para a realização do impossível.
abraços e tenham sempre fé Neia